Dois hospitais da cidade já estão equipados com novos respiradores. Na quinta-feira (4), o Hospital Municipal de Urgências (HMU) recebeu cinco leitos de alta complexidade e o Hospital Geral de Guarulhos (HGG), dez aparelhos. Com eles, a Secretaria Municipal de Saúde espera reduzir o índice de ocupação de UTIs, que na semana passada esteve muito perto de colapsar os hospitais da rede pública.

"Estes respiradores são essenciais para garantir tratamento de pacientes graves de Covid-19. O Governo do Estado de São Paulo está agindo rapidamente, tanto na aquisição, preparo e destinação destes equipamento em tempo hábil para a assistência dos pacientes por meio de serviços públicos de saúde", afirma o Secretário de Estado da Saúde, José Henrique Germann.

Guarulhos também recebeu do governo federal aportes para a aquisição de leitos de alta complexidade para os hospitais municipais que somam pouco mais de R$ 22 milhões, sendo R$ 18,6 milhões de repasses federais, mais R$ 2,3 mi em emendas parlamentares federais e R$ 3,6 mi destinados a hospitais filantrópicos por meio de emendas e incremento do Ministério da Saúde, informa a Secretaria de Saúde da cidade.

Essa movimentação dos governos pode ajudar a estabilizar os índices de ocupação de leitos e permitir que Guarulhos inicie a transição da quarentena mais rígida para uma quarentena mais branda, com a abertura de gradativa do comércio e serviço não essencial. Além desse aparato financeiro e material recebido da federação e do estado, Guarulhos deverá alugar UTIs nos hospitais da rede privada. A contratação foi anunciada duas semanas atrás pelo secretário de Saúde, José Mário Clemente, e endossada pelo prefeito Gustavo Henric Costa, Guti (PSD). Na ocasião, houve consultas a sete hospitais da cidade, mas até a noite dessa quinta a contratação não havia sido confirmada pela prefeitura.

“[A Secretaria da Saúde] Esclarece também que o município está em fase final de contratualização de leitos privados e que não há como estimar índices futuros de ocupação de leitos hospitalares, uma vez que isso está condicionado a diversos fatores”, esclareceu a prefeitura por meio da assessoria de imprensa.

Ocupação

Nesta quinta-feira o índice de ocupação de leitos de alta complexidade destinados a pacientes graves de Covid-19 oscilou discretamente para baixo. Ficou em 90% no que se refere aos leitos de UTI e de 98,4% no de leitos clínicos, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde.

    Veja Também

      Mostrar mais