Ratos em deposito de cestas básicas na Secretaria de Educação
Divulgação/WhatsApp
Prefeitura nega veracidade dos vídeos e vai pedir investigação da Polícia Científica para comprovar possível sabotagem

Circulam pelas redes sociais três vídeos que mostrariam a presença de ratos em cestas básicas armazenadas em prédios da Secretaria de Educação . Nesta terça-feira, o prefeito Gustavo Henric Costa (PSD) classificou as gravações como  “possível sabotagem ” e solicitou perícia da Polícia Científica , além de determinar a abertura de sindicância para apurar internamente o problema. Na transmissão ao vivo, o prefeito estava acompanhado da secretária-adjunta de Educação, Fábia Costa , e do secretário de governo, Edmilson Americano.

Num dos vídeos, uma pessoa com acesso ao estoque, comenta: “olha aí, ó. Parece até filhote de pitbull”. Na imagem, dois ratos estariam sobre pacotes de açúcar e parte do produto esparramada nas embalagens. Os ratos se movem lentamente no meio do açúcar e parecem não se importar com a presença humana. Outra pessoa faz comentários no vídeo e eles parecem se divertir com o feito. Em outro registro, a narração diz: “Galera, Secretaria de Educação. Merenda escolar, só da um ‘ligo’ na merenda. Ó, imagina, essa é a merenda que nossas crianças recebem e levam pra casa”. Na terceira gravação, a pessoa que faz as imagens, diz o seguinte: “Dá um ‘ligo’ aí, ó. Alimentos que vai pra crianças de vocês aí, ó. Secretaria da Educação”. Nesses dois vídeos os animais aparentam estar mortos em uma pá.

Guti rechaçou a possibilidade de haver roedores nos prédios da Educação: “Não existe nenhuma hipótese de termos ratos nas cestas básicas que são distribuídas nas escolas das crianças”, afirmou. O prefeito denunciou a possível sabotagem nas gravações: “É lamentável que possa existir pessoas, se isso for mesmo sabotagem, que possa existir pessoas que querem fazer, em ano eleitoral , essa política baixa, colocando em risco até a saúde das pessoas”.

A secretária-adjunta, por sua vez, explicou os protocolos de higiene na pasta e mostrou dois ofícios, de empresa privada e do Centro de Controle de Zoonose (CCZ), atestando serviço de desratização nos dias 3 e 27 de julho, respectivamente. De acordo com Fábia Costa, o açúcar encontrado não é das cestas básicas, mas de uso dos próprios funcionários da Educação. Ela garantiu que o açúcar esparramado foi descartado. Sobre as cestas básicas distribuídas aos alunos, a servidora afirmou que os pacotes não ficam armazenados nos departamentos da prefeitura. Ela explicou que essas foram recolhidas das escolas nesta semana porque os responsáveis pelos alunos não foram retirá-las no tempo previsto. Ainda de acordo com a adjunta, as cestas estocadas estavam acondicionadas sobre estrados e a vistoria não identificou embalagem violada.

    Veja Também

      Mostrar mais