Prefeito Guti durante live
Reprodução/Facebook
Prefeito afirmou que pretende abrir a economia de forma responsável, mas que pode recuar caso a ocupação de leitos volte a subir

O prefeito Gustavo Henric Costa (PSD), deve anunciar nesta segunda-feira (1º) plano detalhado dos setores que poderão abrir ao público a partir de 8 de junho. Na sexta (29),  Guti participou de uma transmissão ao vivo em que falou genericamente sobre a retomada econômica e os cuidados que envolvem o trabalho de “desenhar” uma abertura do comércio não essencial e ao mesmo tempo evitar que o contágio pelo novo coronavírus exploda e acelere ainda mais a ocupação de leitos de UTI e o número de mortos na cidade.

De acordo com o prefeito, para que a flexibilização aconteça na data planejada é preciso que caia a taxa de ocupação de leitos, que passou de 100% na semana passada e se estabilizou perto de 85% no último boletim, divulgado no sábado (30). Não houve divulgação dos dados por parte da Secretaria Municipal de Saúde no domingo (31). Na apuração do governo do estado, porém, Guarulhos tem oficialmente 2.727 casos confirmados da doença e 283 mortos. O site estadual, porém, não traz informações sobre a ocupação de leitos hospitalares na cidade. Já sobre a taxa de isolamento social, o dado  disponível é de sábado: de um total desejável de 70% de pessoas confinadas, apenas 51%  ficaram em casa.

Disputa

Os dados sugerem que Guti terá de correr contra o tempo para reabrir alguns setores da economia no dia 8. Em uma das lives da semana passada, o prefeito anunciou parceria com o governo federal que deverá entregar para Guarulhos 20 novos leitos de UTI. Guti aproveitou para reclamar do descaso do governo do estado com a cidade. Segundo ele, os pleitos para obtenção de respiradores para equipar a UPA do Taboão e o Hospital de Referência da Mulher foram ignorados por São Paulo.

Secretaria Estadual de Saúde, por sua vez, desconhece a demanda de Guarulhos e informa ter repassado R$ 16,3 milhões para o fortalecimento da rede assistencial com foco no atendimento a pacientes com Covid-19 em Guarulhos.

Pressão

O anuncio do  Plano São Paulo para reabertura de alguns setores da economia anunciado pelo governador João Doria na quarta-feira (27) precisou de ajustes. O plano inicial definia as cidades da Região Metropolitana (RMSP) como um único bloco, classificada em fase 1 (vermelha), em que só poderiam funcionar indústrias e empresas de construção civil. A capital, apesar de índices piores que o de algumas cidades, inclusive do que Guarulhos, foi considerada como fase 2 (laranja),o que permitiria a abertura de vários setores já a partir desta segunda.

O formato do plano desagradou os prefeitos metropolitanos e uma queda de braços foi instalada. Na sexta, o governador recuou e anunciou mudanças no planejamento inicial de flexibilização com a divisão das cidades rebeladas em cinco sub-regiões. Essa subdivisão vai permitir, segundo o governo paulista, uma classificação individualizada das regiões, de acordo com características demográficas e critérios técnicos de saúde, como a capacidade hospitalar para atendimento de pacientes com Covid-19 e a taxa de avanço de casos e mortes provocadas pelo coronavírus. Semanalmente haverá avaliações regionalizadas para medir o avanço das cidades nos indicadores e a reclassificação da atual fase vermelha, de nível máximo de restrição, para as que permitem abertura controlada de atividades não essenciais.

Guarulhos está no grupo do Alto Tiête ou bloco leste, juntamente com as cidades de Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Santa Isabel e Suzano. As outras regiões são: a norte, com as cidades de Caieiras, Cajamar, Francisco Morato, Franco da Rocha, Mairiporã, conhecida como região de Franco da Rocha); sudeste, com Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, conhecida como Grande ABC; sudoeste compreendendo, Cotia, Embu, Embu Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra, Vargem Grande Paulista, conhecida como a região dos Mananciais; e,por fim, a oeste onde estão Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, conhecida como a Rota dos Bandeirantes.

    Veja Também

      Mostrar mais