Ala
Prefeitura de Guarulhos/Fabio Nunes Teixeira
A reorganização aos setores só foi possível com o recebimento de 12 novos respiradores, sendo cinco vindos do governo federal e sete do estadual


A partir desta sexta-feira (19) o Hospital Municipal de Urgência ( HMU ) passa a funcionar com 12 UTIs a mais e atendimento separado para pacientes com suspeita de coronavírus e aqueles sem indicação da doença . O anúncio foi feito pelo prefeito Gustavo Henric Costa na noite de quinta (18), durante transmissao ao vivo pelas redes sociais.

O novo anexo, construído com recursos da  Organização Social (OS) de Saúde Santa Casa de Birigui , responsável pela gestão do HMU, permite a separação de pacientes com diferentes enfermidades . O acesso à nova ala deve ser feito pela rua Anselmo Fornasaro, s/nº, Jardim Bom Clima.

Isolamento

O prefeito Guti , que esteve no local no início desta tarde, juntamente com o secretário da Saúde José Mário Stranghetti para vistoria, afirmou que a medida busca eliminar o contato entre os pacientes suspeitos de contaminação pelo coronavírus dos que não apresentam sintomas suspeitos. “Como o HMU também virou referência para pacientes com Covid-19 , criamos o anexo para receber a população que busca outros tipos de atendimento. Com a separação, estamos protegendo os pacientes de infecção pelo coronavírus”, afirmou Guti.

O novo setor, intitulado “Não Covid”, conta com dez leitos de enfermaria situados em uma área externa de 288 m² e mais 12 na antiga UTI do hospital, que estava desativada, sendo quatro de emergência, oito de internação e dois leitos para procedimentos simples, como suturas, curativos e aplicação de gesso ortopédico. O equipamento também conta com recepção, dois consultórios, ala de observação e medicação, bem como quatro banheiros, sendo dois femininos e dois masculinos.

Pronto-socorro

Os pacientes sem sintomas respiratórios terão duas formas de acesso ao anexo hospitalar, sendo pela sala de emergência para os casos urgentes e encaminhados via Samu ou resgate, ou pela recepção, que são os casos que não caracterizam urgência e que podem aguardar atendimento médico no consultório com classificação de risco. O fluxo é semelhante ao atual do pronto-socorro , no qual a pessoa abre ficha na recepção, aguarda a classificação de risco pela enfermagem e posteriormente recebe o atendimento médico no consultório.

Já na área de emergência, o paciente de maior gravidade, como  politrauma, infarto, acidente vascular cerebral (AVC) ou acidente vascular cerebral isquêmico (AVCI), é estabilizado e posteriormente direcionado para as vagas na clínica médica (atualmente alocada na área da clínica cirúrgica) ou UTI conforme a gravidade do quadro clínico. O acolhimento dos casos com suspeita de Covid-19 continua sendo realizado no pronto-socorro do hospital (área da recepção tradicional).

Respiradores

A reorganização aos setores só foi possível diante do recebimento de 12 novos respiradores, sendo cinco encaminhados pelo governo federal e sete pelo estadual, que serão utilizados na área destinada aos pacientes com Covid-19, bem como a locação de 12 monitores multiparâmetros e de bombas de infusão. Isso porque, com o início da pandemia, alguns equipamentos, como respiradores e monitores instalados em setores como clínica cirúrgica e clínica médica, estavam à disposição para pacientes com Covid-19 que precisassem de ventilação mecânica .

    Veja Também

      Mostrar mais