A ansiedade afeta 18 milhões de brasileiros.
Divulgação/Lupacom Comunicação
A ansiedade afeta 18 milhões de brasileiros.

O Brasil é o país mais ansioso e o quinto mais depressivo do mundo. Segundo estudos da Organização Mundial da Saúde ( OMS ), a ansiedade afeta 18 milhões de brasileiros e os transtornos mentais são responsáveis por mais de 30% do número total de incapacidade nas Américas .

Com a pandemia de coronavírus, a situação ficou ainda mais grave, conforme explicou Kátia Almeida, psicóloga assistencial da Corporate Health, empresa do Grupo Ritacco, especializada em gestão de saúde.

“O surto de Covid-19 provocou uma mudança brusca e longa no cotidiano das pessoas. Isso potencializou a depressão, o medo, a ansiedade, o tédio, a tristeza, a saudade, a insônia, a compulsão alimentar e o consumo de bebidas alcoólicas, entre outras coisas”, pontuou a psicóloga.

Para ela, a falta de socialização por causa do distanciamento social, o excesso de trabalho no sistema home office e a queda de rendimento escolar, no caso dos estudantes, são fatores que abalam o emocional das pessoas. “O ambiente residencial passou a ser estressante e entediante para alguns. As crianças, por exemplo, ficam incomodadas, pois também enxergam a escola como um ambiente de lazer e de interação. E a pandemia tirou isso delas”, argumentou. 

LEIA TAMBÉM:  ENIAC abre inscrições a cursos gratuitos de Comunicação, Matemática e Tecnologia

E como amenizar tais efeitos negativos?

Kátia Almeida afirmou que algumas ações diminuem os problemas psicológicos causados pelo isolamento social. São elas:

- Praticar exercícios físicos regularmente;

Você viu?

- Ter uma alimentação saudável;

- Ouvir música;

- Meditar;

- Manter o ambiente residencial limpo, agradável e divertido (principalmente quando houver crianças);

- Não se descuidar da aparência, ou seja, evitar trabalhar ou estudar de pijama;

- Procurar um profissional da saúde mental. 

De acordo com a especialista, as pessoas precisam mentalizar que uma hora a pandemia vai acabar. “E quando isso acontecer, elas precisam estar bem, na medida do possível. O autocuidado é extremamente importante. Para manter a mente sã neste período é preciso praticar algumas ações que sempre foram comuns no dia a dia. É um momento difícil, mas, mais do que nunca, é essencial nos cuidarmos”, avaliou.

Head de saúde da Corporate Health, Rafaella Ritacco reforçou a importância das sugestões dadas pela psicóloga parceira. “Desde a fundação, a nossa empresa trata a saúde mental como a máxima atenção que o assunto merece. Por isso, sempre mantivemos psicólogos em nosso ecossistema de parceiros e disponibilizamos atendimentos aos colaboradores de nossos clientes. Na pandemia, não é diferente. Os resultados têm sido bastante positivos agora e ao longo de nossa trajetória”, completou Rafaella.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários