Guti em live do dia 26.06.2020
Reprodução/Facebook
Sem avançar de fase no Plano São Paulo, prefeito Guti acusou um favorecimento da capital em detrimento a Guarulhos nas etapas de flexibilização

Em pronunciamento nesta sexta-feira (26), o prefeito Gustavo Henrique Costa (PSD) criticou o Plano São Paulo de flexibilização , criado para avaliar o avanço do novo coronavírus e orientar a reabertura do comércio e serviços não essenciais de acordo com o nível de contágio, mortes e ocupação de leitos , entre os outros critérios. No anúncio sobre as sub-regiões que poderão flexibilizar a abertura de bares e restaurantes, Guarulhos permanaceu na fase 2 (laranja) enquanto a capital e a sub-região do ABC, por exemplo, avançaram à fase 3 (amarela).

Guti criticou duramente a medida. A seu ver, Guarulhos tem 39 quilômetros de divisa com a capital e em alguns bairros basta atravessar uma rua que se chega ao outro município, o que facilita o deslocamento de moradores de Guarulhos a São Paulo. “De centro a centro estamos falando aí de 20 quilômetros, essa proximidade de São Paulo, se São Paulo reabrir muito antes de Guarulhos , as pessoas vão se dirigir a São Paulo, poder se contaminar mais lá e trazer mais ainda o vírus”, sem contar que isso enfraquece a economia de Guarulhos, complementou.

LEIA TAMBÉM:

Plano São Paulo impede a reabertura de bares e restaurantes em Guarulhos

Guarulhos tem um morto a cada 60 minutos nas últimas 24 horas

Região de comércio do Centro tem aglomeração na reabertura das lojas

Logo a seguir, o prefeito sugeriu que o Poder Judiciário estaria a serviço do governo paulista, “apesar" da independência dos poderes. “Sabemos a força que o governo do estado exerce sobre todas as instituição do governo do estado, Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo , Ministério Público do Estado de São Paulo . A gente sabe que existe sempre uma comunicação muito próxima, apesar de serem poderes totalmente distintos, mas existe uma comunicação próxima e infelizmente, muitas vezes a gente sofre algumas decisões aqui que só nos resta cumprir”.

O prefeito prometeu dialogar com o estado para tentar reverter o quadro estabelecido no Plano São Paulo: “Apesar dos nossos números serem bastante similares ao da capital, nesse momento Guarulhos acabou sendo preterida. Então nós vamos dialogar com o governo do estado para que reveja essa posição”.

Outro lado

Em nota, o governo do estado respondeu que "os decretos e ações dos municípios precisam observar a classificação dada pelo Plano São Paulo, que foi baseada no panorama de evolução da doença e na capacidade de atendimento da saúde pública nas suas regiões. O governo de São Paulo mantém diálogo permanente com prefeitos, setores produtivos e sociedade civil para planejar a retomada consciente das atividades econômicas após a pandemia do coronavírus".

Flexibilização

O Plano São Paulo fixou cinco fases de retomada gradual e faseada das atividades sociais e econômicas, com as 17 regiões do estado classificadas por cores. São cinco fases, da mais restritiva, a vermelha, com funcionamento permitido somente aos serviços essenciais, à azul, de abertura controlada, com todos os setores em funcionamento, mas mantendo medidas de distanciamento e higiene. Os critérios foram fixados pelo Comitê de Contingência do Coronavírus.

No decreto 36.925/2020, a prefeitura de Guarulhos estabeleceu critérios para reabertura do comércio local e antecipou setores que abririam nas fases  2 e 3 , como shoppings centeres, salões de cabeleireiros e barbearias, decisão que contrariou o Plano São Paulo. Bares, restaurantes lanchonetes e casas do norte da cidade continuam fechados. O decreto, no entanto, prevê a volta desses estabelecimentos em 06 de julho.


Matéria atualizada dia 27/06/2020, às 13h55

    Veja Também

      Mostrar mais